Submarino.com.br
Retrato do Artista Quando Tolo Rotating Header Image

Mais Sobre a Klu Klux Globo

Parece que a coisa é mesmo pessoal. Depois das matérias de segunda e terça (comentadas logo abaixo), o Jornal Nacional mais uma vez se posicionou contra ações afirmativas para negros, na edição dessa quarta. E eu digo que se posicionou porque a ojeriza da Globo contra o Estatuto da Igualdade Racial era evidente. A matéria tratava do lançamento de um livro, com ensaios de “personalidades políticas e intelectuais”, que critica o sistema de quotas e o supramencionado Estatuto… a “notícia”, que recende a um aroma menos que sutil de coisa planejada, era a entrega de um exemplar do livro ao Arlindo Chinaglia. Durante a matéria, que, meio subliminar, nem sequer foi mencionda na escalada não se ouviu uma única voz a favor das ações afirmativas ou contra a noção, exposta de forma clara em entrevista de um qualquer, que o Estatuto da Igualdade iria dividir o país. E eu me pergunto: o que aconteceu com a saudável tradição do direito ao contraditório?

Daí o Rafael me perguntou: mas o que a Globo ganha com isso? Não sei. Não sou executivo da Globo, não participo das reuniões, não tenho como saber. Esperançoso quanto a existência de uma inerente bondade humana e disposto a crer que as pessoas agem no que acreditam que é o melhor para todos (é, eu sou um idiota), acho que a direção da Globo realmente acredita que medidas para lidar com as desigualdades raciais podem inflamar a já periclitante tensão entre classes no Brasil e provocar um acirramento de confrontos e posições que pode ser danosa à sociedade… Muito preferível, nesse contexto, seria a manutenção da tradicional ideologia da mestiçagem, que nega as evidentes disparidades raciais com alegação de que não existem raças diferentes no Brasil. É um grande pano quente, que não corrige nada, mas impede qualquer tipo de conflagração porque sufoca qualquer voz revoltada. Mas ignorar a ferida não faz ela parar de sangrar. E as boas intenções globais só servem para sustentar o mesmo sistema opressor de sempre.

Claro, por outro lado, pode ser que a Globo simplesmente não goste de pretos.

**************************************

Sabendo que o humor é a melhor guerrilha, aproveito para fazer um remix de uma velha piada, readaptando-a aos novos tempos. Espalhem por aí. Sinto que essa tem potencial.

“Daí tinha um eletricista chamado João da Silva, que, trabalhando em um poste, tomou um choque de alta voltagem e morreu. Passou um tempão como defunto, mas chegou a ambulância, os médicos tomaram medidas heróicas e o João da Silva, depois de vários minutos, voltou à vida. Logo, todo mundo só falava disso, o homem ressuscitado, que tinha ido para o além e retornado e era o único que sabia o que nos aguardava após a morte.

Com essa fama, João da Silva volta para casa um dia e encontra uns homens engravatados na porta, que logo o agarram, põe dentro de um chevetinho velho e tocam para um prédio no outro lado da cidade. Chegando lá, João da Silva vê que está na TV Cultura, e é recebido pelo presidente da emissora, que diz:

- Senhor João da Silva, nós da Cultura ficamos sabendo do seu caso, e ficamos muito intrigados, muito interessados… precisamos saber de uma coisa… Deus existe?

João da Silva para, pensa um pouco e anuncia:

- Olha… não vou mentir para o senhor. Deus existe sim!

Nisso o pessoal da Cultura fica consternado. Passam as mãos no rosto, se olham preocupados. Finalmente o diretor diz:

- Veja bem, seu João, isso nós coloca em situação muito complicada… A Cultura é uma rede estatal, ligada a um governo laico, tem muito marxista e materialista dialético trabalhando aqui… Se essa notícia se espalha, a pressão sobre nós seria tremenda. Façamos o seguinte: o senhor nunca conte isso para ninguém, e sai daqui com um milhão de dólares.

João da Silva aceitou a grana, voltou para casa todo feliz, mas foi só chegar na rua que foi parado por um outro grupo de engravatados, que o colocam dentro de uma caminhonete toda arrumadinha. Tocam para um prédio do outro cidade, e João da Silva vê que está na Record, onde é recebido por um bispo, que diz:

- Senhor João da Silva, nós aqui da Record estamos muito interessados no seu caso, só os senhor pode sanar essa dúvida que nos corrói, por favor me diga… Deus existe?

João da Silva, esperto, nem hesita e diz:

- Bom, seu bispo… sinto informar, mas Deus não existe não!

O pessoal da Record começa a se lamentar. Alguns choram, outros não querem acreditar. Mas enfim o bispo manda o pessoal ficar quieto e diz:

- Seu João, a Record pertence a um grupo religioso, é sustentada pela crença de nossos fiéis, você deve compreender como essa informação torna a nossa situação delicada… Vamos combinar assim: o senhor nunca revele o que nos contou para ninguém, e sai daqui com cinco milhões de dólares.

João da Silva nem pensa duas vezes, aperta a mão do bispo, pega o dinheiro e já vai voltando, todo feliz para casa. Mas é só pisar no bairro, e aparece mais um grupo de engravatados, agarra ele e joga dentro de um helicóptero, que voa até o Rio de Janeiro. Lá, João da Silva é logo recebido em um escritório das Organizações Globo.

- Seu João da Silva, sem mais delongas. Queremos saber o que só o senhor sabe: Deus existe?

João da Silva, naquela situação complicada, olha para um lado, olha para o outro, de repente tem um estalo e diz:

- Deus existe sim…

Todos na Globo comemoram.

-… mas é negro!”

0 Comentário on “Mais Sobre a Klu Klux Globo”

Deixe um comentário